A voz de Deus é poderosa, faz executar exatamente o que ela fala independente do fator tempo. Quer experimentar? Entre!

Jesus quando criança!!! | 16Dez2007 13:00:00

Publicado por: Megatomaz On-Line

 

    A infncia e juventude de Jesus foram passadas numa pequenina aldeia montanhesa. No haveria lugar na Terra que no se tivesse honrado por Sua presena. Os palcios reais ter-se-iam sentido privilegiados em O receber como hspede. Mas Ele passou pelos lares afortunados, pelas cortes da realeza e pelas famosas sedes do saber, para fazer de Seu lar a obscura e desprezada Nazar.

 

    Maravilhoso em sua significao o breve relatrio da primeira parte de Sua vida: "E o Menino crescia e Se fortalecia em esprito, cheio de sabedoria; e a graa de Deus estava sobre Ele." Luc. 2:40.

 

    luz da presena de Seu Pai, crescia "Jesus em sabedoria e em estatura, e em graa para com Deus e os homens". Luc. 2:52. Seu esprito era ativo e penetrante, com uma reflexo e sabedoria alm de Sua idade. Tambm o carter era belo na harmonia que apresentava. As faculdades da mente e do corpo desenvolviam-se gradualmente, segundo as leis da infncia.

 

    Jesus revelava, como criana, disposio singularmente amvel. Aquelas mos cheias de boa vontade estavam sempre prontas para servir a outros. Manifestava uma pacincia que coisa

Pg. 69

    alguma conseguia perturbar, e uma veracidade nunca disposta a sacrificar a integridade. Firme como a rocha em questes de princpios, Sua vida revelava a graa da abnegada cortesia.

 

    Com profunda solicitude observava a me de Jesus o desenvolvimento das faculdades da Criana, e contemplava o cunho de perfeio em Seu carter. Era com deleite que procurava animar aquele esprito inteligente, de fcil apreenso. Por meio do Esprito Santo recebia sabedoria para cooperar com os instrumentos celestiais, no desenvolvimento dessa Criana que s tinha a Deus por Pai.

 

    Desde os primitivos tempos, os fiis em Israel haviam dado muita ateno educao da juventude. O Senhor dera instrues quanto a ensinar-se as crianas desde a mais tenra idade, acerca de Sua bondade e grandeza, especialmente segundo estas se revelam em Sua lei, e se demonstram na histria de Israel. Cnticos, oraes e lies das Escrituras deviam ser adaptados mente que se ia abrindo. Os pais e mes deviam instruir os filhos em que a lei de Deus a expresso de Seu carter, e que, ao receberem os princpios da lei no corao, a Sua imagem era gravada no esprito e na alma. Muito do ensino era feito oralmente; mas os jovens aprendiam tambm a ler os escritos dos hebreus, e os rolos de pergaminho das Escrituras do Antigo Testamento eram franqueados a seu estudo.

 

    Ao tempo de Cristo, a vila ou cidade que no providenciava quanto instruo religiosa da mocidade, era considerada sob a maldio de Deus. Todavia, o ensino se tornara formal. A tradio havia em alto grau sobrepujado as Escrituras. A verdadeira educao teria levado os jovens a "que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, O pudessem achar". Atos 17:27. Mas os mestres judeus davam ateno a questes cerimoniais. A mente era sobrecarregada com matria sem valor para o que a aprendia, e que no seria reconhecida na escola superior das cortes do alto. A experincia obtida mediante a aceitao individual da Palavra de Deus, no tinha lugar no sistema educativo. Absorvido na rotina das coisas exteriores, o estudante no encontrava horas de sossego para estar com Deus. No Lhe escutava a voz falando ao corao. Em sua procura de conhecimentos, desviava-se da Fonte de sabedoria. Os grandes elementos do servio de Deus eram negligenciados, obscurecidos os princpios da lei. O que se considerava como educao superior constitua o maior obstculo ao verdadeiro desenvolvimento. Sob a influncia dos rabis, as faculdades dos jovens eram reprimidas. Seu esprito se tornava constrangido e estreito.

Pg. 70

    O menino Jesus no Se instrua nas escolas das sinagogas. Sua me foi Seu primeiro mestre humano. Dos lbios dela e dos rolos dos profetas, aprendeu as coisas celestiais. As prprias palavras por Ele ditas a Moiss para Israel, eram-Lhe agora ensinadas aos joelhos de Sua me. Ao avanar da infncia para a juventude, no procurou as escolas dos rabis. No necessitava da educao obtida de tais fontes; pois Deus Lhe servia de instrutor.

 

    A pergunta feita durante o ministrio do Salvador: "Como sabe Este letras, no as tendo aprendido?" (Joo 7:15) no quer dizer que Jesus no soubesse ler, mas simplesmente que no recebera instruo dos rabinos. Uma vez que Ele obteve conhecimento como o podemos fazer, Sua familiarizao com as Escrituras mostra quo diligentemente os primeiros anos de Sua vida foram consagrados ao estudo da Palavra de Deus. E perante Ele estendia-se a grande biblioteca das obras criadas por Deus. Aquele que fizera todas as coisas, estudou as lies que Sua prpria mo escrevera na Terra e no mar e no cu. Desviados dos profanos mtodos do mundo, adquiriu da Natureza acumulados conhecimentos cientficos. Estudava a vida das plantas e dos animais bem como a dos homens. Desde a mais tenra idade, possua-O um nico desgnio: vivia para beneficiar os outros. Para isso encontrava recursos na Natureza; novas idias de meios e modos brotavam-Lhe na mente, ao estudar a vida das plantas e dos animais. Procurava continuamente tirar, das coisas visveis, ilustraes pelas quais pudesse apresentar os vivos orculos de Deus. As parbolas pelas quais, durante Seu ministrio, gostava de ensinar lies acerca da verdade, mostram quo aberto Lhe estava o esprito s influncias da Natureza, e como colhera do ambiente que O cercava na vida diria, os ensinos espirituais.

 

    Assim se revelava a Jesus o significado da palavra e das obras de Deus, ao buscar compreender a razo das coisas. Os seres celestiais serviam-Lhe de assistentes, e cultivava santos pensamentos e comunho. Desde os primeiros clares da inteligncia, foi sempre crescendo em graa espiritual e no conhecimento da verdade.

 

    Toda criana pode adquirir conhecimento como Jesus o adquiriu. Ao procurarmos relacionar-nos com nosso Pai celestial atravs de Sua Palavra, anjos se achegaro a ns, nossa mente ser fortalecida, nosso carter elevado e apurado. Tornar-nos-emos mais semelhantes a nosso Salvador. E, ao contemplarmos o que belo e grande na Natureza, nossas afeies crescem para com Deus. Ao mesmo tempo que o esprito se enche de reverente respeito, a alma se fortalece ao pr-se em contato com o Infinito

Pg. 71

    por meio de Suas obras. A comunho com Deus, mediante a orao, desenvolve as faculdades mentais e morais, e as espirituais se robustecem ao cultivarmos pensamentos sobre assuntos espirituais.

 

    A vida de Jesus estava em harmonia com Deus. Enquanto criana, pensava e falava como criana; mas nenhum trao de pecado desfigurava nEle a imagem divina. No ficou, no entanto, isento de tentao. Os habitantes de Nazar eram proverbiais por sua impiedade. O mau conceito em que eram geralmente tidos, revela-se na pergunta de Natanael: "Pode vir alguma coisa boa de Nazar"? Joo 1:46. Jesus foi colocado num lugar em que Seu carter seria provado. Era-Lhe necessrio estar sempre em guarda, a fim de conservar Sua pureza. Estava sujeito a todos os conflitos que ns outros temos de enfrentar, para que nos pudesse servir de exemplo na infncia, na juventude, na idade varonil.

 

    Satans era infatigvel em seus esforos para vencer a Criana de Nazar. Desde Seus primeiros anos Jesus era guardado por anjos celestiais, todavia Sua vida foi uma longa luta contra os poderes das trevas. Que houvesse de existir na Terra uma vida isenta da contaminao do mal, era uma ofensa e perplexidade para o prncipe das trevas. No houve meio que no tentasse para enredar Jesus. Nenhum dos filhos dos homens ser jamais chamado a viver uma vida santa em meio de to renhido conflito com a tentao como nosso Salvador.

Pg. 72

    Os pais de Jesus eram pobres, e dependentes de sua tarefa diria. Ele estava familiarizado com a pobreza, a abnegao, as privaes. Essa experincia serviu-Lhe de salvaguarda. Em Sua laboriosa vida no havia momentos ociosos para convidar a tentao. Nenhuma hora vaga abria a porta s companhias corruptoras. Tanto quanto possvel, cerrava a porta ao tentador. Ganho ou prazer, aplauso ou reprovao, no O podiam levar a condescender com uma ao m. Era prudente para discernir o mal, e forte para a ele resistir.

 

    Foi Cristo o nico Ser livre de pecado, que j existiu na Terra; todavia, viveu por quase trinta anos entre os mpios habitantes de Nazar. Este fato uma repreenso aos que fazem depender de lugar, fortuna ou prosperidade o viver uma vida irrepreensvel. Tentao, pobreza, adversidade, eis justamente a disciplina necessria para o desenvolvimento da pureza e firmeza.

 

    Jesus viveu num lar de camponeses, e desempenhou fiel e alegremente Sua parte em suportar as responsabilidades da vida domstica. Fora o Comandante do Cu, e anjos se tinham deleitado em Lhe cumprir as ordens; era agora um voluntrio Servo, um Filho amorvel e obediente. Aprendeu um ofcio, e trabalhava com as prprias mos na oficina de carpintaria de Jos. Nos simples trajes de operrio comum, caminhava pelas ruas da pequenina cidade, indo e voltando em Seu humilde labor. No empregava o poder divino de que dispunha para aliviar os prprios fardos ou diminuir a prpria lida.

 

    medida que Jesus trabalhava na infncia e na juventude, mente e fsico se Lhe desenvolviam. No empregava descuidadamente as foras fsicas, mas de maneira a conserv-las ss, a fim de fazer o melhor trabalho possvel em todos os sentidos. No queria ser deficiente, nem mesmo no manejo dos instrumentos de trabalho. Era perfeito como operrio, da mesma maneira que o era no carter. Pelo exemplo, ensinou que nos cumpre ser industriosos, que nosso trabalho deve ser executado com exatido e esmero, tornando-se assim honroso. O exerccio que ensina as mos a serem teis, e educa os jovens em fazer sua parte quanto s responsabilidades da vida, comunica robustez fsica, e desenvolve todas as faculdades. Todos devem procurar fazer alguma coisa que lhes seja til, ou de auxlio a outros. Deus designou o trabalho como uma bno, e somente o trabalhador diligente encontra a verdadeira glria e alegria da vida. A aprovao de Deus repousa com amvel confiana sobre as crianas e jovens que desempenham alegremente sua parte nos deveres da famlia, partilhando as responsabilidades do pai e da me. Tais filhos sairo de casa para ser teis membros da sociedade.

Pg. 73

    Atravs de Sua existncia terrestre, Jesus foi um ativo e constante trabalhador. Esperava muito resultado; muito empreendia, portanto. Depois de iniciar o ministrio, disse: "Convm que Eu faa as obras dAquele que Me enviou, enquanto dia; a noite vem, quando ningum pode trabalhar." Joo 9:4. Jesus no Se esquivava a cuidados e responsabilidades, como fazem muitos que professam ser Seus seguidores. porque procuram furtar-se a essa disciplina que tantos so fracos e ineficientes. Podem possuir preciosos e amveis traos, mas so sem fibra e quase inteis quando h dificuldade a enfrentar e obstculos a transpor. A positividade e energia, a solidez e resistncia de carter manifestadas em Cristo, tem de se desenvolver em ns, mediante a mesma disciplina que Ele suportou. E caber-nos- a mesma graa por Ele recebida.

 

    Enquanto viveu entre os homens, nosso Salvador participou da sorte dos pobres. Conhecia por experincia seus cuidados e asperezas, e podia confortar e animar a todos os humildes obreiros. Os que possuem verdadeira concepo dos ensinos de Sua vida, no pensaro nunca que se deva fazer distino de classes, que os ricos devam ser honrados de preferncia aos pobres dignos.

 

    Jesus punha em Seu trabalho alegria e tato. Muita pacincia e espiritualidade se requerem para introduzir a religio bblica na vida familiar e na oficina, suportar a tenso dos negcios do mundo, e todavia conservar as vistas unicamente voltadas para a glria de Deus. A que Jesus foi um auxiliador. Nunca estava to cheio de cuidados do mundo que no tivesse tempo para pensar nas coisas de cima. Exprimia freqentemente o contentamento que Lhe ia no corao, cantando salmos e hinos celestiais. Muitas vezes ouviam os moradores de Nazar Sua voz erguer-se em louvor e aes de graas a Deus. Entretinha em cnticos comunho com o Cu; e quando os companheiros se queixavam, da fadiga do trabalho, eram animados pela doce melodia de Seus lbios. Dir-se-ia que Seu louvor banisse os anjos maus, e, como incenso, enchesse de fragrncia o lugar em que Se achava. O esprito dos ouvintes era afastado de seu terreno exlio, para o lar celestial.

Pg. 74

    Jesus era fonte de vivificante misericrdia para o mundo; e durante todos aqueles retirados anos de Nazar, Sua vida flua em correntes de simpatia e ternura. Os velhos, os sofredores, os oprimidos de pecado, as crianas a brincar em sua inocente alegria, as criaturinhas dos bosques, os pacientes animais de carga – todos se sentiam mais felizes por Sua presena. Aquele cuja palavra poderosa sustinha os mundos, detinha-Se para aliviar um pssaro ferido. Nada havia para Ele indigno de Sua ateno, coisa alguma a que desdenhasse prestar auxlio.

 

    Assim, medida que Se desenvolvia em sabedoria e estatura, crescia Jesus em graa para com Deus e os homens. Atraa a simpatia de todos os coraes, mediante a capacidade que revelava de Se compadecer de todos. A atmosfera de esperana e valor que O circundava, tornava-O uma bno em todo lar. Muitas vezes na sinagoga, aos sbados, era convidado para ler a lio dos profetas, e o corao dos ouvintes fremia, pois nova luz brilhava nas palavras familiares dos textos sagrados.

 

    No obstante, Jesus fugia ostentao. Durante todos os anos de Sua residncia em Nazar, no fez exibio de Seu miraculoso poder. No buscou altas posies, nem pretendeu nenhum ttulo. Sua vida quieta e simples, e mesmo o silncio das Escrituras a respeito dos primeiros anos de Sua vida, ensinam importante lio. Quanto mais simples e tranqila a vida de uma criana – quanto mais livre de despertamentos artificiais e quanto mais em harmonia com a Natureza – tanto mais favorvel ela ao vigor fsico e mental, e robustez espiritual.

 

    Jesus nosso exemplo. Muitos h que se detm com interesse sobre o perodo de Seu ministrio pblico, enquanto passam por alto os ensinos de Seus primeiros anos. , porm, na vida domstica que Ele o modelo de todas as crianas e jovens. O Salvador condescendeu em ser pobre, para poder ensinar quo intimamente podemos ns, em uma vida humilde, andar com Deus. Viveu para agradar, honrar e glorificar o Pai nas coisas comuns da vida. Sua obra comeou por consagrar o humilde ofcio do operrio que labuta para ganhar o po cotidiano. Quando trabalhava ao banco de carpinteiro, fazia tanto a obra de Deus, como quando operava milagres em favor da multido. E todo jovem que segue o exemplo de Cristo na fidelidade e obedincia em Seu humilde lar, pode reclamar aquelas palavras proferidas a respeito dEle, pelo Pai, por intermdio do Esprito Santo: "Eis aqui o Meu Servo a quem sustenho, o Meu Eleito, em quem se compraz a Minha alma." Isa. 42:1.

Ellen White; Livro Desejados de todas as naes

Editorial Do blog verdade On-line informa.

Com intuito de ajudar o crescimento Espiritual de todos e o nosso tambm Adventista do stimo dia, este Blog foi criado com um critrio especial no''ASSIM DIZ O SENHOR’’naBbliae no''ESPRITO DE PROFECIA''.

Todos os artigos publicados no blog so originrios da escritora Ellen White, os mesmos so editado pelacasa publicadoraBrasileiraem forma de livros cds e peridicos, revistas etc,pertencente aos Adventistas do Stimo dia. Disponvel publicamente atravs de sites e vendas on-line da Casa e dos seus representantes em todo Brasil . Se o internauta preferir poder tambm fazerdownloadvia internet gratuitamente dos livros e conferir os contedo do Esprito de profecia.

''As opinies pessoais do Editor expressa nos artigos deste blog no soincisivas OU conclusivase to pouco oriundas de criticas as organizaes religiosas. O nosso maior desafio viver felizes com a palavra de Deus e promover os mesmos, afinal de conta o crescimento Espiritual gradual para todos''

"A capacidade de discernir entre o que reto e o que no o , podemos possu-la unicamente pela confiana individual em Deus. Cada um deve aprender por si, com auxlio Dele, mediante a Sua Palavra. A nossa capacidade de raciocinar foi-nos dada para que a usssemos, e Deus quer que seja exercitada."(E. G. White,Educao, p. 231)

RESPEITAMOS E ADMIRAMOS PESSOAS QUE TENHAM OPINIES DIFERENTES DOS ARTIGOS PROPOSTO.

Filipenses 4:8

Quanto ao mais, irmos, tudo o que verdadeiro, tudo o que honesto, tudo o que justo, tudo o que puro, tudo o que amvel, tudo o que de boa fama, se h alguma virtude, e se h algum louvor, nisso pensai.

 

 

 


Partilhar:

Comentários
Não existem comentários

Para poder comentar necessita de iniciar sessão.

ANTES DE NAVEGAR

 

Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administração


AQUI VOCÊ ACONTECE

Hora Brasil


relojes web gratis


 

Índice de produtos Naturais

 

 http://www.lojavirtualsegura.com.br/celeironatural/ulteis/logo.jpg

Músicas divinal.

 

Procura
Deus seja Louvado

Locations of visitors to this page


 

Pesquisas On-line

       Leia este precioso livro

 

Bíblioteca Espírito de profecia.

 

 

Últimas Galeria
Amigos blogtok

vidaonline

ultramegatiaguinho
Sondagens
A SUA IGREJA EM DESTAQUE.
Adventista do sétimo dia
Batistas
Metodista
Congregação Cristã
Presbeterianas
Renascer
Católica
Espírita
Nenhuma igreja
Outras
Adventistas da Reforma
Adventistas da Promessa
Batista dos sétimo dia
Assembléia de Deus e segmentos.
Testemunho de Jeová
Universal do reino de Deus.
Deus amor
Outras pentecostais
Comunidades evangelicas independentes
Quadrangular
Rádios On Line

http://www.bbnradio.org/wcm4/B/Pvb.jpg

   
 

 

Criação ou Evolução?

     Uma resposta de fé 

conheça a sua velocidade
Procura
Calendário
D S T Q Q S S
  01 02 03 04 05 06
07 08 09 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30
Feeds
©2014, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional